Todas as coisas contribuem para o bem dos que amam a Deus

Mário Maracaipe  »  janeiro 2021

O ano de 2020 pode ser definido como um ano de perdas e despedidas – sob o ponto de vista estritamente natural, obviamente. Contudo, sob olhar da fé cristã, 2020 foi um ano de ganho, de esperança e de avaliação.

Todo cristão regenerado ganha, mesmo quando perde! Ganhamos força com a fé perseverante; ganhamos maturidade encarando o mundo como ele realmente é; ganhamos empatia chorando com os que choram, confortando e sendo confortados.

O cristão regenerado tem perspectiva muito mais excelente e realista que as demais pessoas porque ao se deparar com o aumento da violência generalizada, o crescimento do espírito anticristão e o advento de uma nova praga, divisa em todos esses eventos a confirmação das profecias preditas por Jesus Cristo, referentes à proximidade de Seu retorno e do estabelecimento do Seu Reino tão esperado por nós – Reino de paz, de justiça e de cura!

Sem dúvida alguma o cristão regenerado teve sua esperança renovada em 2020. O cristão tem esperança diferenciada porque além de olhar para baixo e adiante, também olha para o alto, como disse Jesus, com esperança de Seu Reino, olhando ao mesmo tempo para dentro e fora de si mesmo.

O cristão encara as tempestades e as bonanças da vida como balanças de avaliação de sua fé, seu amor e sua esperança. Ao olhar para fora de si o cristão busca confirmação, por meio de suas obras, se sua fé é genuína, se seu amor é real e se sua esperança é sobrenatural, posta e focada em Deus e em Seu Reino, ao invés de ser uma falsa esperança, alicerçada e presa ainda ao reino dos humanos.

Então, sendo sinceros conosco mesmos, nós, que nos identificamos como cristãos, poderíamos afirmar com convicção que tudo o que aconteceu em 2020 contribuiu para o nosso bem – foi um ano de bênçãos, nesse sentido?

Se nossa resposta é sincera e verdadeiramente afirmativa, podemos também estar certos de que, mesmo sob a ardente provação de 2020 (e a que há de vir em 2021), amamos e pretendemos amar ainda mais a Deus, apesar de sermos imperfeitos e fracos.

Se nossa avaliação do ano passado é feita sob a luz de Deus que há em nós, podemos também nos regozijar no fato de que continuaremos a amar a Deus sob quaisquer circunstâncias de qualquer ano porque temos experimentado da graça divina, expressão do amor incomparável de Deus já provado sob a pior das circunstâncias: o dia e o ano do cruel e ao mesmo tempo bendito e incomparável sacrifício de Deus realizado por nós na cruz do Calvário.

Somente o cristão regenerado pode olhar para as lutas, dificuldades, aparentes derrotas e frustrações com a certeza de que tais “males”, ao invés de nos prejudicarem, sob a graça e amoroso propósito de Deus, na realidade nos beneficiaram, beneficiam e beneficiarão ainda.

Maranata!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *