Por que os orgulhos prosperam muito e os mais humildes padecem tanto?

Edgar Donato  »   setembro 2021

Asafe – Um desabafo parecido com o de muitos – Salmo 73

Por que muitos zombam de Deus, se tornam ricos e desfrutam dos prazeres deste mundo e aqueles que são fiéis ralam para conseguir algum patrimônio?

Você já se sentiu assim? Para dar certo no Brasil, a pessoa não pode ser honesta? Parece que nossos esforços não são recompensados, nossa obediência a Deus não produz resultados visíveis. Ah! que desgosto morar no Brasil, queria ter nascido na Suíça, Holanda, até na China seria melhor…  Esse governo é uma piada, cada um pior que o outro.  Tem gente desfrutando do bom e do melhor, sempre felizes em suas ostentações… São indiferentes, vivem só para si, não padecem, não sofrem, carro do ano, viajam pra fora, publicam fotos dos melhores lugares…  E eu trabalhando como se fosse três, a fim de pagar minhas contas, vivo no sufoco.

Quando o autor refletiu sobre esse tema, entrou em desespero de alma, colapsou a sua mente. Asafe estava tão preocupado consigo mesmo e não tinha espaço para pensar nos outros, nem ajudar um mais necessitado.

Ele olhou para a janela da tentação e deu asas à sua angustia. “Quase cai! ” Seus pés quase se desviaram, pouco faltou para escorregar. Houve a ameaça de um desastre espiritual.  Pense nos pés de um alpinista se desviando para um declive abrupto.

Em algum momento um sentimento ganha forma e se torna inveja. Em suas palavras:   “Pois eu invejava os arrogantes, ao ver a prosperidade dos perversos. ”

Ele olha, compara e inveja… O tempo todo somos levados a comparar o que temos e a desejar o que não temos. Muitos se afastam do Senhor porque tem olhado para o mundo, seduzidos pelo consumismo, enganados pela vida de aparência, atraídos pelos símbolos de status. “Ah! Se eu não fosse crente, teria uma posição melhor… Não passaria os apuros que tô passando”…

Não é tão fácil admitir certos pecados, é mais fácil falar, sou ansioso, sou nervoso, sou perfeccionista, sou ciumento…. É mais difícil dizer, sou egoísta, sou encrenqueiro, sou pão duro, sou invejoso…

Asafe era um homem dotado de grandes dons espirituais, coordenador do louvor, grande potencial e ungido pelo Espírito a fim de conduzir o povo no louvor, era uma pessoa influente, contemporâneo do rei Davi.

Assim como ele, fomos chamados para permanecer firmes na fé ao invés e cobiçar e corromper a alma.

Por mais piedoso que seja uma pessoa está sujeita a passar por angústias existenciais. Ele vivia num ambiente de louvor – havia enormes corais, ensaios, estava no culto, era conhecido da multidão. Ele se viu em desvantagem.  Quantos de vocês já se sentiram assim? Há missionários no interior, alugam uma garagem, passa um ano, dois, trabalha com crianças, panfletagem, aconselhamento, começa a frequentar 10 pessoas, mais dois anos, sobe para 20 ou 30…  Daqui a pouco chega uma nova “igreja”, aluga o melhor local da cidade, coloca 1000 cadeiras, vem uns ensinamentos esquisitos e lota o lugar. Ou você tá lutando com seu casamento, e tem gente trocando de mulher, trocando de marido e parece mais feliz que você. Ralou para passar num concurso, chega alguém novo indicado por um político, e ganha 3 vezes mais que você e nem sabe do que acontece no lugar.   Quando passamos por crises a realidade é mais convincente do que a verdade que carregamos no peito.  Ele estava com um olhar pouco exagerado…. Descreve os perversos como pessoas que não sofrem, boa saúde, superiores, blindados, satisfazem os desejos maliciosos, blasfemam, contas suas experiências homossexuais, heterossexuais na maior senvergonhice…  Tem milhões de seguidores no YouTube, admirados por todos assim como Leandro Karnal e Felipe Neto…

De que adianta? Eles cada vez mais prósperos, “aumentam suas riquezas, eu, cada vez mais frustrado, aumentam as minhas aflições. ”

Ele não tem folga. A questão não é que só os outros prosperam e se dão bem, eu me esforço, tô ralando e me dando mal. Asafe entra em crise quando compara a qualidade de vida dele com a do ímpio.

“Até que entrei no santuário de Deus”. “O santuário” no AT era o lugar que Deus escolhera para tornar conhecida a sua presença. Ele frequentava o santuário, mas faltava relacionamento, faltava intimidade com o Senhor. Hoje, o Espírito mora dentro de nós.  A “miopia espiritual” nos permite ver só o aqui e agora. A compreensão da presença de Deus deu lhe uma nova perspectiva. Ele percebeu a santidade de Deus, entendeu que haverá um juízo e a vida é muito breve!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *