Pastores, respeitem o “sábado”

Carlos Moraes  »   Editorial | junho 2021

Foi tudo de-repente. Em poucos dias, tudo fechou: restaurantes, shoppings, academias, estádios esportivos, cinemas, salas de concerto e templos religiosos…. Tudo mudou e até o português foi substituído pelo inglês: drive thru, home-office, live, on-line, delivery, Zoom, lockdown…. E mesmo o vocabulário em português, ficou mais rebuscado, técnico: pandemia, embasamento científico, contaminação, distanciamento social, aglomeração, quarentena, epicentro, assintomático, surto, cepa, coágulo, incubação…. Sem contar que, concorrendo com as vacinas Coronavac, Pfizer, BioNtech, Sputnik, Janssen, entre outras, muitos fizeram especialização em medicina com o Dr. Google, a ponto de receitarem tratamento precoce com Cloroquina, Hidroxicloroquina, Ivermectina, Azitromicina, bicarbonato de sódio e muito mais.

Em relação às igrejas, as menores foram mais afetadas, a princípio, pois as médias e grandes já tinham equipamentos para transmissão dos cultos on-line e espaços adequados para reuniões separadas.

Fato é que, no mundo pós pandemia, um novo ministério ou departamento passa a existir em todas as igrejas de todos os tamanhos com trabalhos tecnológicos de internet com plataforma, site, aplicativo e redes sociais com lives e videoconferências.

Nós vivemos, como batistas conservadores, em pequenas igrejas. Particularmente eu sou adepto do mais com menos, ou seja, mais congregações com menos congregados para nos espalharmos mais facilmente. Não sou favorável a grandes congregações, e tenho razões para isso, mas não é o caso de tratar desse tema aqui.

Entrar na pandemia foi como desligar um interruptor e apagar a luz. Sair não será assim. Será um processo, como alguém que sofreu atrofia muscular e passa a fazer fisioterapia. Mas será, também, para alguns, o momento propício para mudanças necessárias que há muito deveriam ter sido feitas.

A nova realidade provocada pela pandemia, forçou os pastores de pequenas igrejas a trabalhar mais provocando aceleração, desgaste maior, pois além do esforço hercúleo para as adaptações, enfrentaram, também, muito maior desgaste emocional.

No começo, todos pensávamos que o tempo de pandemia seria curto, por isso a largada foi acelerada como em uma corrida de cem metros rasos. Mas tivemos que frear e estabelecer ritmo de maratona, quando percebemos que o fim era imprevisível. Mais uma vez vieram os improvisos e adaptações…. Tudo isso causa danos. Agora, todos estamos pensando no que já se convencionou denominar de “novo normal” para o período pós pandemia. Como será? O que teremos que fazer? É inevitável certa dose de ansiedade.

Ao logo dos anos, por observação e conversas, percebo que a maioria dos pastores e missionários têm receio de tirar férias, descansar, e até tirar uma soneca após o almoço, quando dá tempo. Tudo que parece descanso procuram explicar, justificar, como se estivessem cometendo um pecado grave. Aumentam os traumas, por causa do trauma do descanso.

Não temos que ter receio de fazer uso do “sábado”, pois foi o Senhor mesmo que ordenou isso. Sim, você leu corretamente e eu escrevi isso mesmo: DEUS ORDENOU o descanso. O descanso está ligado à adoração. Isto quer dizer que adoração sem descanso está incompleto. 

Negligenciar o cuidado com nossa saúde física leva, fatalmente para o estresse que pode provocar ansiedade crônica, e problemas emocionais capazes de gerar doenças mais graves e até quedas morais. Fé não é negação das fraquezas e das dificuldades, mas a superação de ambas. Antes de vencer uma batalha, é necessário saber quem é o adversário.

Acredito que, como parte do nosso “novo normal”, como pastores e missionários, temos uma boa oportunidade para elencar, na lista de mudanças e adaptações, a nossa forma de encarar o princípio do “sábado”, pois aqueles que adoram, mas não repousam, desonram a Deus e ao próprio corpo, tanto quanto aqueles que repousam, mas não adoram.

A nossa geração está vivendo os momentos mais tumultuados da vida humana em muitas gerações e o ministério que experimentávamos antes, não será o mesmo, porque as pessoas não serão as mesmas. Dentro do arcabouço do “novo normal”, não podemos continuar confundindo tradições com verdades eternas. Aproveite para olhar todos os ministérios e programas que sua igreja desenvolvia antes da pandemia, mas que teve que deixar de lado por mais de um ano. Faça perguntas a si mesmo e responda com sinceridade. Se não voltarmos a fazer isso, seria fatal para a igreja? Se nunca tivéssemos feito, eu começaria isso agora?

Tenha coragem de mexer na agenda e na programação. Não tenha receio de simplificar e fazer mudanças, pois este é o momento ideal no qual a maioria das pessoas estão prontas.

22 respostas para “Pastores, respeitem o “sábado””

  1. Josué Amaral disse:

    Muito bom estas observações, entendi bem sobre disciplina do descanso, sou testemunha de não fazer uso…. mas estou me disciplinando.
    Mas o conteúdo da sua observação, está tá muito bem colocado sobre as mudanças que esse período trouxe e trará de mudança para todos nós, que possamos ter um maduro discernimento e como servir melhor a causa do Senhor.
    Obrigado pastor Carlos

  2. São observações importantes e necessárias, pensando no contexto atual que estamos vivendo. Devemos nos adaptar a uma nova realidade e aproveitar cada oportunidade que Deus nos tem dado.
    O tema do descanso é algo importante e necessario que debemos aplicar e destacar aquí. Creio que Deus tem permitido tudo isso, para nos levar a reflexionar sobre muitas coisas no contexto da vida, familia e ministério.
    Deus nos abençoe e que possamos ver a boa mão de Deus guiando-nos nesse tempo.

  3. Edvaldo Costa disse:

    Tem toda razão e bem colocado, precisamos estar melhores no final da jornada e isso conta com uma boa dose de disciplina com o cuidado do nosso corpo,passando também além dos exercícios físico ,por um bom período de descanso em tempo oportuno .

  4. Cosmo Silva disse:

    Concordo plenamente sobre um dia de descanso para aqueles que labutam no ministério. Compreendo que não énecessário ser um sábado, mas um dia da semana, conforme o contexto de cada servo. O meu é Segunda-feira.

  5. WAGNER JOSE DA SILVA disse:

    Descansar 1 dia da semana medida de Deus. Se necessário até 2. Mas é inquestionável que o obreiro e 24 horas. Meu Pai trabalha todo dia. Mas tirar este dia especialmente para o próprio lar é o essencial. Mas se seu vigor impede folgue 2 e concentre os outros

  6. Pr Jaime Brito Espinosa disse:

    Muito Bom artigo pastor. Deus abençoe.

  7. Donizetti Matias disse:

    Ótima reflexão.
    Descansar é importante físico psicológico.. Mais o importante é estar descansando o tempo todo no Senhor.
    E trabalhando intensamente pelo Evangelho.
    Priorizando a família, na sequência a família de Deus.
    Temos muitas pressões, barreiras, preocupações.
    ( Paulo o apóstolo muuto bem aconselhou: *tem cuidado de ti mesmo e da doutrina*)
    Perseverança, esforço. Não só físico.
    Exercício da fé, mover- se..e estar no descanso do cuidado presente, real, constante do SENHOR.
    As mudanças nos forçaram a nós manter dependentes mais e mais.
    Quer agindo, quer descansando.

  8. Carlos Roberto Trinconi disse:

    O descanso além de ser bíblico, é totalmente necessário, porém muitas vezes não colocamos isso em prática. Não tiramos férias e ficamos à disposição da igreja 24 horas por dia. Precisamos ficar vigilantes no sentido de descansar, pois isso é como uma renovação do Espírito.

  9. Cláudio Drosten disse:

    Cometi este pecado por anos.
    Ao contrário a igreja sempre cobrou esse descanso.
    O texto reforça na realidade o que sempre soubemos , mas negligenciamos.
    Colhemos com certeza os resultados dessa negligência.

  10. PR Levir Perea Merlo disse:

    Excelente artigo sobre a realidade que vivemos e não é de hoje é muito muito antes da pandemia, sim precisamos deixar o Senhor falar aos nossos corações e para isso precisamos parar, parabéns pela palavra.

  11. Pr. Josiel Lima disse:

    Deus nos dê sabedoria e bom senso!

  12. Anastácio disse:

    Reflexão muito válida.
    A obra do Senhor tem que ser partilhada . Líderes em vários ministério precisam de tempo com a família e lazer.
    Pastores e suas esposas precisam separar tempo para o necessário repouso, sem perder de vista a urgência das almas que perecem.
    João 9:4 Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar.

  13. George Harmon disse:

    Muito bom artigo. Concordo plenamente na importância do descanso. Muitos estão ficando estressados… Para mim o mais importante é aprender a ficar em silêncio diante do Senhor e aprender do senhor. Deus os abençoe

  14. Pr Wagner disse:

    Com certeza estamis tendo mais trabalho. Mas, independente desse acréscimo á igreja precisa entender que o descanso do pastor é primordial para o seu rendimento no ofício. O descanso nis faz enchegar o que estressado não visualizamos. Nós cansamos mais do que qualquer outra atividade, lidamos com vidas, e vidas machucadas, destruídas, abusadas. Só Deus para ter misericórdia. Tbm precisamos de sossego para nós fortalecermos principalmente na fé.

  15. Mudanças! Há sempre o receio de fazê-las, mas são necessárias. Não são mudanças de convicções bíblicas, mas de inserção e adaptação de estratégias para esse “novo normal” se queremos mais eficiência na comunicação e edificação do Evangelho. Aos que procastinam haverá menos descanso até entenderem que o mundo mudou e o comportamento das pessoas, porém as verdades continuam as mesmas, mas precisam de melhores estratégias. Isso é como a koinomia de Deus, há mudanças nas dispensações, mas o plano de Deus é o mesmo. Portanto, aprenda, aperfeiçoe, senão não haverá mais tempo para o “sábado” de descanso..

  16. Ivânio Köhler disse:

    Ótima reflexão! Quando obedecemos ao que Deus diz em sua Palavra sobre descansar um dia na semana, estamos admitindo e confiando que os resultados do nosso trabalho vêm do Senhor.

  17. Alexandre da Silva disse:

    Excelente reflexão, pastor. Mostra quão essencial é o “sábado” no desenvolvimento de um ministério excelente. Obrigado

  18. Neil disse:

    Muito bom o texto!

    Se descansar fosse fácil, Deus não teria ordenado!

    Descansar é necessário

  19. Juvenal disse:

    Verdade. Muitas vezes nos esquecemos disso. O Senhor criou um de descanso para os Seus servos… este é o sentido do sábado!

  20. Timóteo L. de Pina disse:

    Agradeço a Deus pelo artigo. Tenho essa convicção há muito tempo e não somente procuro descansar no sábado, mas em qualquer hora que posso, mesmo que seja por uma hora. Pr. Timoteo Pina, Igreja Batista Regular de Jardim Oriental, Osasco, SP.

  21. Elias Moura disse:

    Parabéns, muito bom artigo. O Sábado sempre foi e será um presente de Deus para nós. Não somos robôs, muito menos ilhas, precisamos de um tempo com nossa família e conosco mesmo. Como disse um pastor, “Ócio santo”. Um tempo de estudo e reflexão. Uma solução para esse dilema é o ministério colegiado. Em nossa igreja somos em 3 pastores e graças a Deus, cumprimos uma agenda tranquila, com Deus, a igreja e nossas famílias.

  22. VALTER RIBEIRO NOGUEIRA disse:

    Excelente artigo. Retratou muito bem o contexto em que o mundo está vivendo em especial as igrejas evangélicas. O descanso é um princípio bíblico encontrado tanto no Antigo testamento como em o Novo Testamento. Na verdade há princípios que continuaram em vigor através de todas as épocas. Não é um mandamento contido em uma lei, como é defendido pela seita adventista e que deve ser obedecido ( visão legalista ) , mas como já acima frisei é um princípio bíblico ainda válido nos dias de hoje. Sem dúvida a pandemia afetou as igrejas que precisaram se adaptar e usar de criatividade, usando o recursos da internet e isto exigiu dos pastores e dos missionários mais tempo e desdobramento, o que os desgastou muito.Sem dúvida mais do que nunca o princípio do descanso deve ser aplicado. E quando a pandemia acabar os líderes devem continuar a valorizar ” o Sábado ” pricipalmente em igrejas muito ativistas que enfatizam programas. Será importante não somente aproveitar as experiências da época da pandemia, mas também, na medida do possível cortar uma série de programações tradicionais que desgastam tanto os pastores , como as ovelhas que também devem aplicar o ” Sábado ” em suas vidas. Devemos à luz da PALAVRA DE DEUS verificarmos se certas programações da igreja realmente colaboram para os crescimento da igreja na graça e no conhecimento de JESUS, isto é sendo santos adoradores e não santos cansados,desanimados e muitas vezes deprimidos. O artigo é muito importante para a reflexão sobre a igreja local.

Deixe uma resposta para Ivânio Köhler Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *