O clamor em meio à dor

Edgar Donato  »   dezembro 2020

A indignação do profeta surgiu porque seu país, Judá, estava prestes a ser atacado pelo império babilônico. Por que Deus permitiu que uma nação pagã, poderosa atacasse seu povo?  Como homem de fé, ele orou ao Senhor nesse tempo de angústia, mas Deus não lhe respondeu.

O silêncio de Deus diante da opressão, da injustiça e da maldade humana parece cada dia pior. Palavras de Habacuque: “Até quando, Senhor, clamarei por socorro, sem que tu ouças? Até quando gritarei a ti: Violência! Sem que tragas salvação? ”

Se fosse hoje: Até quando um país rico continuará com a sua moeda cada vez mais forte e o nosso real, cada vez mais sem valor?

Até quando essa pandemia vai durar? Até quando, em meio à crise no país, na saúde, haverá canalhas aproveitando para superfaturar aparelhos respiratórios? Até quando milhões e milhões de brasileiros continuarão desempregados? Até quando os carros e as indústrias continuarão a produzir lixo químico? As crianças sofrerão com lares divididos, abuso sexual e outras formas de violência? A pornografia continuará presente na internet? Os pobres receberão tratamento diferenciado do rico nos hospitais, nas escolas e nos tribunais?

Até quando meu marido continuará me enganando, mentindo? Até quando minha esposa continuará imatura e jogando os filhos contra mim?  Até quando meu filho viverá nas drogas e na bebida? Até quando aguentarei tanta humilhação da minha família? Até quando ficarei solteira? Até quando terei que trabalhar tanto por um salário tão injusto? Até quando terei que gastar com remédios caros e dores que não param?

Muitas vezes já fizemos essa pergunta aos outros, a nós mesmos e ao Senhor. Geralmente a fazemos em tempos de escândalo, de angústia, de doença e morte.

Não podemos perder essa capacidade de indignação de revolta contra o pecado, contra as estruturas perversas do mal e de sentir nojo da nossa pecaminosidade latente…. Essa pergunta nervosa (“Até quando? ”) aparece com frequência na boca do salmista, na boca dos profetas, na boca dos mártires, até mesmo na boca de Jesus e também em meus lábios e nos seus. 

O capítulo começa com o clamor de um homem que tem um problema e não sabe como resolvê-lo. Um homem que confiava em Deus, mas estava perplexo com as incoerências da vida. A resposta de Deus apavora Habacuque. Não compreende como Deus podia permitir meios tão horríveis para punir o seu povo. Como podia usar tão cruel castigo? Parece que não se encaixa.  O Senhor admite a perversidade dos caldeus, mas declara que, por fim, os destruirá pelo seu próprio mal. O orgulho e a crueldade sempre geram destruição.  O orgulho sempre vem antes da queda, diz a sabedoria milenar…  Pode parecer que os caldeus, os perversos estão prosperando por algum tempo, mas estão condenados:  o justo viverá pela fé 2.4

Ao invés de ficar emburrado como o profeta Jonas, murmurando, ele termina cantando. Ele trocou o “Até quando?” pelo “Ainda que”…  Ainda que falte alimento, ainda que falte emprego, ainda que falte saúde, eu me alegrarei no Deus da minha salvação.

É possível ter alegria no meio da crise?  É possível!  Quando a alegria é fruto do Espírito e não das circunstâncias.  O livro começa com mistérios, perguntas e dúvidas, termina com certezas e afirmações de fé. O livro começa com perguntas, cujas respostas, continuam inquietantes, mas termina com convicções inabaláveis.

Uma resposta para “O clamor em meio à dor”

  1. Raimundo Gomes da Silva disse:

    Analisando esse texto podemos concluir que, já estamos ultrapassando as atrocidades daquele tempo, Sodoma e Gomorra já bate a nossa porta, para não me alongar, destaco um versículo que acho bem apropriado para o momento que vivemos, 2 a crônicas 7:14 se o meu povo que se chama pelo meu nome, clamar e orar, dos céus ouvirei, desserei e curarei a terra. Creio que nesse momento Deus está esperando que nos voltemos verdadeirente a ele, o que está acontecendo dentro das denominações religiosas? Não falo nem do mundo ímpio, veja nosso caso, já somosais de cinquenta milhões de evangélicos no Brasil e veja como ele está? Parece que o mal está vencendo o bem…só temos uma saída, continuar, clamando e orando. A paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *