Jesus e as crianças

Gilberto Celeti  »   fevereiro 2022

“… algumas pessoas levaram as suas crianças a Jesus para que ele as abençoasse, mas os discípulos repreenderam aquelas pessoas. Quando viu isso, Jesus não gostou e disse: Deixem que as crianças venham a mim e não proíbam que elas façam isso, pois o Reino de Deus é das pessoas que são como estas crianças. Eu afirmo a vocês que isto é verdade: quem não receber o Reino de Deus como uma criança, nunca entrará nele. Então Jesus abraçou as crianças e as abençoou, pondo as mãos sobre elas” (Mc 10.13-16).

Pessoas levaram as suas crianças a Jesus. Será que pode existir uma tarefa mais nobre do que esta? Como é maravilhoso ver pessoas com uma missão – a de levar as crianças para Jesus.

Levar suas crianças para quem?

Esta é a primeira pergunta a ser feita. Levar as crianças para Jesus! Existiria uma missão mais digna? Certamente, não!

Quem é esta pessoa chamada Jesus? O nome e a pessoa de Jesus estão descaracterizados. Embora Jesus seja tema de tanta gente, na arte, na política, na religião, no comércio. Pouquíssimos têm uma ideia correta de quem realmente é Jesus, a quem as crianças devem ser conduzidas.

Veja o que está escrito a respeito de Jesus, em Hebreus 1.2-4: Foi Ele quem Deus escolheu para possuir todas as coisas e foi por meio dEle que Deus criou o Universo. O Filho brilha com o brilho da glória de Deus e é a perfeita semelhança do próprio Deus. Ele sustenta o Universo com a Sua palavra poderosa. E, depois de ter purificado os seres humanos dos seus pecados, sentou-Se no céu, do lado direito de Deus, o Todo-Poderoso.

Levar suas crianças para quê?

Esta é a segunda pergunta. Para que Cristo as tocasse – as abençoasse! O toque puro, santo, singelo, abençoador de Jesus.

Discípulos que impedem as crianças de irem a Cristo.

É espantoso ver os próprios discípulos colocando impedimentos.

Ainda hoje a falta de visão da importância e da necessidade do trabalho de levar as crianças a Cristo é uma grande realidade. Quanta displicência e indiferença dos líderes, dos professores e até dos próprios pais.

Há, de fato, uma preguiça aguda e crônica nas questões espirituais e morais, quando o assunto é a evangelização e discipulado das crianças. Não se dá a mínima importância para a educação dos filhos nos caminhos do Senhor.

Jesus afirma sobre as crianças: DOS TAIS É O REINO DE DEUS.

 Dos que são como tais. Quem não receber o Senhor Jesus como uma criança, de maneira nenhuma entrará nele. Não é a criança que tem de se tornar adulta, pelo contrário é o adulto que precisa se tornar como criança. A criança é um modelo.

Qual é a melhor idade para alguém vir a Cristo?

Quanto mais cedo, melhor! Sessenta anos é uma boa idade. Quarenta é melhor. Vinte é ainda melhor. Quinze é melhor ainda. Mas é muito melhor confiar em Jesus Cristo com dez, oito ou seis anos! Quase a vida inteira está à frente…

Quem evangeliza crianças, não está apenas interessado em sua alma, mas em sua vida. Quando uma criança confia em Jesus, ainda tem muitos anos, com a permissão de Deus, para viver para Ele.

O fato é que as crianças são importantes para Deus. Elas têm uma alma imortal e uma vida inteira pela frente. Elas ouvem e atendem a mensagem do Evangelho mais prontamente do que qualquer outro grupo de pessoas.

D. L. Moody disse:
“Eu creio que, se as crianças têm idade suficiente para vir à Escola Dominical, elas têm idade suficiente para vir ao Calvário. Vamos abrir nossas mentes e que Deus nos ajude a ganhar as crianças para Cristo”.

Vamos investir, por todos os meios, para alcançar todas as crianças ao nosso redor. Onde as crianças estão:

  • É um ambiente de alegria.
  • É um ambiente de brincadeiras.
  • Gostam de estar umas junto das outras.
  • Fazem de um pequeno objeto um grande brinquedo.

Sejamos como as crianças!

Trabalhemos com elas com toda pureza, com toda alegria. A alegria do Senhor é a nossa força:

  • Que nunca sejamos repreendidos pelo Senhor por nos tornarmos uma barreira ou um obstáculo para as crianças!
  • Que possamos abraçar todas as crianças com pureza, amor, sabedoria e alegria!
  • Que vejamos todas as crianças do nosso bairro entrando no reino, pela fé, à medida que vão recebendo a Cristo como Seu Senhor e Salvador!
  • Que sejamos nós mesmos como crianças: humildes, confiantes, dependentes e sempre desejosos de aprender!
  • Que combatamos e denunciemos toda e qualquer mão suja que deseja tocar as crianças!
  • Nunca nos esqueçamos das palavras de Jesus “Assim, pois, não é da vontade de vosso Pai celeste que pereça um só destes pequeninos” (Mt 18.14).
  • Que nos coloquemos como crianças nos braços do Senhor Jesus, para que Ele, impondo as Suas mãos sobre nós nos abençoe para sermos verdadeiros evangelistas de crianças! Amém!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.