Igreja, tô dentro!

Edgar Donato  »   março 2022

A valorização do corpo está em alta. Muita ênfase e exagero sobre a importância da saúde, caminhadas, exercícios físicos, beber bastante água, abster-se do excesso de carboidrato e farinhas brancas, alimentos industrializados. E mais, use máscara, protetor solar, evite a vida sedentária e etc…  

Paulo usa a figura da igreja como um corpo.  Da mesma forma, para se ter um corpo saudável, precisamos tomar os cuidados para termos uma igreja saudável. Eu quero fazer parte de uma igreja saudável!  Como assim?

Cada cristão é membro da igreja e útil para INTERAGIR no corpo, conforme 1 Coríntios 12.  É impossível falar do corpo sem a atuação Espírito Santo. Ele deu à luz o corpo em Pentecostes.  Infelizmente, na igreja de Corinto os membros entristeciam o Espírito Santo com a maneira carnal de usar os dons espirituais. Dons são presentes dados por Deus para cada crente.  Não agiam como adultos, pareciam crianças egoístas e imaturas exibindo “brinquedos”, portanto precisavam amadurecer.

É incrível a metáfora do “corpo”!   Ajuda a combater o “cristianismo individual”, aquele pensamento nascido no quinto dos infernos: “Cristo sim, igreja não! ”, o qual conduz a um isolamento, fuga, descomprometimento com a igreja local.  Paulo não se limitou a imagem do “corpo” para referir-se à igreja, há outras:  Família, um exército, templo, rebanho e até mesmo noiva, cada imagem tem lições.

Os dons concedidos são para o benefício da igreja toda. Não para o usufruto individual, mas corporativo: Dons são capacidades sobrenaturais dadas por Deus para edificar a comunidade dos salvos. Quando aceitamos nossos dons com humildade, podemos usá-los para promover o crescimento da comunhão, evangelismo, edificação e adoração.

Uma Igreja unida, avança em meio à sua diversidade!  São muitos membros diferentes, trabalhando em obediência à cabeça e em colaboração uns com os outros.

Como podemos avançar para o extraordinário convivendo com pessoas diferentes? A diversidade não alinhada destrói a unidade; vira anarquia. Aprendemos em 1 Coríntios 13, o equilíbrio entre a unidade e a diversidade vem do amor em ação, rumo à maturidade. A tensão do corpo entre os membros individuais e o organismo como um todo só pode ser resolvida pela maturidade

Todo cristão renascido é envolvido, mergulhado, incorporado, habitado pelo Espírito Santo, o qual o coloca em íntima comunhão com Deus e com os demais cristãos renascidos.

Necessitamos uns dos outros, em movimento, membro parado adoece. A igreja bem-sucedida é uma combinação equilibrada de todos os dons, em interdependência, “na medida em que cada parte realiza a sua função. ”

Já imaginou o pé acordando com a pá virada? “Raramente as pessoas olham pra mim, fico escondido, levo topada, aguento peso, fico cheirando mal, nesse calor…  Ah! Não! A mão aparece o tempo todo, pega nas frutas, cumprimenta as pessoas…”. Essa atitude de comparação e inveja, mostra o desejo de aparecer e receber o aplauso dos homens. Tem membros assim? Se recusam a servir, se não são reconhecidos.

Outro perigo é o orgulho. “”O olho não pode dizer à mão: Não preciso de você” – o membro talentoso despreza os menos talentosos.  Qualquer sentimento de superioridade entristece o Espírito, e a cura eficiente é um derramamento do amor. “O amor não se ufana, não se ensoberbece”. I Co 13.4. Ninguém é vip, a não ser Jesus. Os aparentemente “fracos”, são necessários, coração, fígado, rins. Não despreze o membro escondido, até o dedinho mindinho se for cortado, tira a estabilidade do corpo. 

Exibição ou descaso?  A Igreja não é palco de autopromoção, nem para exaltar, nem para rebaixar ninguém. Não significa deixar de honrar, reconhecer, agradecer alguém, mas toda a glória é para o Senhor Jesus.  Cada cristão é membro da igreja e útil para servir ao corpo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.