Igreja espiritualmente saudável

Carlos Moraes  »   Editorial | outubro 2021

Apesar das grandes perdas e muitos sofrimentos causados pela pandemia, nós podemos fazer alguns exercícios e tirar lições construtivas de aplicação prática, pessoal e coletiva, para nós e nossas igrejas. O que mais ouvimos nesse período e que a maioria das pessoas puderam aprender, é que a baixa resistência do organismo facilitava a ação maléfica do vírus. Portanto, a prevenção teve papel preponderante e se tornou uma lição para o resto de nossas vidas e não apenas contra esse vírus específico.

Durante a enfermidade, quando não foi possível evitar a contaminação, os cuidados imediatos, tanto físicos, quanto mentais e emocionais, também se tornaram essenciais. Claro que não podemos esquecer dos profissionais da saúde que foram fundamentais para o socorro. Sem eles seria o caos.

Mas a pandemia não atingiu apenas as pessoas. Todas as instituições foram afetadas. No caso da Igreja, aplicando no plano espiritual, podemos fazer várias analogias. Talvez, a principal delas, seja que a prevenção sempre é melhor do que o tratamento. Nesse caso, a aplicação é excelente, pois sabemos que nada supera o ensino e aplicação das verdades bíblicas. A resistência contra os vírus maléficos das heresias e distorções da verdade precisa da proteção da vitamina “B” de Bíblia com interpretação correta e sem rodeios. As igrejas que se mantinham saudáveis no ensino da Palavra, tiveram maior resistência e sofreram menos com as necessárias mudanças exigidas pela pandemia, principalmente o problema do distanciamento.

Como está a saúde espiritual da sua igreja neste momento? Você já fez, aquele necessário checkup? Como ela está, agora, com o abrandamento da pandemia? Aqueles que reclamavam do distanciamento no início estão de volta? Há entusiasmo nos membros pelo retorno, ou já começaram a sentir saudades do distanciamento?

Neste momento, as lideranças vão precisar agir com muita cautela, pois as sequelas podem causar danos irreversíveis se não forem adequadamente diagnosticadas e tratadas. Os desafios que doravante serão enfrentados vão exigir aprimoramentos dos “cuidadores” e “profissionais da saúde” na área espiritual.  Alguns de nós aprendemos muito durante o recesso provocado pelas normas sanitárias e, da mesma forma que aprendemos que o fortalecimento da resistência é importante, aprendemos, também, que o tratamento adequado não pode ser ignorado. Nada de tentar tratamentos alternativos. Na vida cristã não funcionam. A automedicação, que seria a autoajuda, jamais substituirá a ajuda do alto.

Um dos aprendizados que a maioria de nós experimentamos, é que há necessidade de cuidar de cada um para que o todo seja preservado. O contágio com o vírus matou muitos idosos e pessoas com comorbidades dentro de núcleos familiares nos quais o descuido de uma pessoa mais jovem e resistente suportou os desdobramentos da doença, mas os menos resistentes sucumbiram. Assistimos muitos lamentos e choros em famílias por causa desse descuido.

Focar no fortalecimento de todos na congregação é essencial. De nada adianta empoderar alguns que podem liderar, que são uma espécie de força motriz para o crescimento da igreja e esquecer os demais. Podemos lembrar que, no início da pandemia houve certa apreensão pela morte de muitos pastores. Alguns estudos posteriores, mostraram que a razão daquelas mortes se deveu aos descuidos na proteção pessoal enquanto socorriam os mais fracos na fé que, contaminados pelo vírus, tinham mais resistência física do que seus líderes. Aqui entra a questão do equilíbrio na congregação local, onde cada qual deve ser usado com os seus dons e capacitações. A Igreja é, antes e acima de tudo, um organismo, o Corpo de Cristo. Este é o plano espiritual. Se falháramos nesta área, de nada adiantará acertar como organização.

Essa talvez seja a principal lição que deve ficar para nós: somos, antes, um organismo, que é mais importante do que a organização.

Uma resposta para “Igreja espiritualmente saudável”

  1. VALTER RIBEIRO NOGUEIRA disse:

    Excelente reflexão sobre uma igreja espiritualmente saudável durante e após a pandemia. Sem dúvida a igreja que melhor sobreviveu na pandemia e continuará saúdavel após é a que alimentou seus membros com a PALAVRA DE DEUS. Naturalmente ela atuou na defesa da VERDADE BÍBLICA não somente pregando e ensinando a sã doutrina e combatendo as heresias (, pois neste período muito lixo é postado pela internet e muitos membros das igrejas consomem sem discernimento) como também a liderança destas igrejas bíblicas investiram na vida espiritual dos membros. Não há coisa mais negativa e destruidora que a mera ortodoxia fria,formal e legalista. É um grande desafio ser uma igreja que ensina a a VERDADE É combate o erro teológico e ao mesmo tempo investe na vida espiritual dos membros dando também grande ênfase missionária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *