Dolorida partida – Mark Franklin Willson – (1953-2020)

Redação JA  »  janeiro 2021

Partidas quase sempre são doloridas. Algumas, porém, doem mais! É assim que me sinto com a partida do nosso amado Marcos Willson. 

Mark Franklin Willson nasceu em 26 de janeiro de 1953. Seus pais, conhecidos como Tomé e Evelyn Willson, eram missionários em Juazeiro do Norte. Por isso Marcos passou seus primeiros onze anos no Brasil. Era o terceiro de cinco irmãos. O restante de sua infância, adolescência e juventude foi nos EUA, na cidade de Chicago, onde seu pai se tornou pastor.

Mark casou com Linda Joy Sieger, sobrinha de Fern Trimble, um dos missionários pioneiros no trabalho Batista Regular no Brasil. Preparou-se para o ministério, concluindo seus estudos e especializando-se em Antigo Testamento.

Durante o período de preparo, Mark visitou o Brasil duas vezes, lecionando cursos de poucas semanas no Seminário Batista do Cariri. Na primeira vez, ainda na década de 1970, ensinou Estudo Bíblico Indutivo. Na segunda, em 1984, lecionou hebraico.

Em 1982, Mark e Linda Willson ingressaram na Baptist Mid-Missions. Antes de partirem definitivamente para o campo missionário, passaram quatro anos levantando sustento. Finalmente, chegaram para se estabelecer no Brasil em 1986. Em 1987, começaram a ajudar no Seminário Batista do Cariri e na Igreja Batista Regular do Novo Juazeiro.

No Seminário Batista do Cariri, atuaram até 2019. Durante esses 32 anos, ele ensinou várias disciplinas, especialmente as relacionadas ao Antigo Testamento, incluindo Hebraico e Teologia do Antigo Testamento. Além de ensinar, foi coordenador acadêmico. Ele e sua esposa, foram diretores do dormitório feminino e ajudaram na coordenação da Semana de Música Sacra.

Foram muitas as igreja e congregações em que o Pastor Marcos Wilson serviu com sua família, aqui no Cariri Cearense. Na Igreja do Novo Juazeiro, ministraram até 1997, com trabalhos de ensino, pregação, aconselhamento e música. Também auxiliaram na construção dos três templos que a igreja construiu, à proporção que o trabalho se desenvolvia. O primeiro, sob a liderança do Pastor Luiz Pessoa de Menezes. Os outros dois, apoiando o Pastor Almir Marcolino Tavares.

De 1998 até 2005, ajudaram na fundação da Igreja Batista Maranata, em Crato, em parceria com o Pastor Marcos Lounsbrough e família. Em 2006, serviram na Primeira Igreja Batista de Barbalha. Em 2007, na então Congregação Batista Ebenézer na cidade do Crato. De 2008 a 2010, trabalharam na Igreja Batista Sião, substituindo o Pastor Roque Albuquerque, enquanto o mesmo trabalhava em seu doutorado, nos EUA. De 2011 a 2019, auxiliaram na implantação da Igreja Batista Adonai, na cidade do Crato, com o Pastor Tibério César e família.

Em 2019 era a hora de voltar para os EUA. Após esse retorno ao seu País, iniciou um ministério de viagens a diversos seminários em vários países para ministrar cursos de pequena duração. Conseguiu realizar três viagens à África, Ásia e Brasil, antes de se alastrar a pandemia do COVID.

Há pouco mais de quinze dias foi acometido pelo COVID. De lá para cá, passou boa parte do tempo hospitalizado. Nos últimos dias, teve a presença da família, cantando e tocando em seu quarto. Em 11 de dezembro, partiu para sua última viagem, tendo como destino a presença de Jesus.

Durante o tempo em que esteve internado, oramos ansiosos, esperando a cura. Nossas expectativas se frustraram. Uma das postagens do Pastor Marcos Willson no Instagran foi sobre expectativas frustradas. Comentando João 20.1-18 ele disse: “Uma das grandes causas de decepção é quando nossas expectativas são frustradas. Maria veio ao túmulo com o propósito de colocar aromas e bálsamos no corpo de Jesus. Mas quando chegou o túmulo estava vazio e ela ficou angustiada: “levaram meu Senhor! Tiraram de mim este último ato de amor e devoção”. Então Jesus aparece, mas no seu choro ela pensava que era o jardineiro. Então Jesus chamou seu nome e tudo mudou. As expectativas ficaram para lá. Talvez você tenha expectativas frustradas e está demorando melhorar. Mas lembre-se: o plano de Deus vai fazê-lo esquecer de tudo isso. ” Diante deste comentário feito por ele, concluímos que apesar de nossas expectativas terem se frustrado, o plano de Deus se cumpriu. O plano não está errado. Nossas expectativas, sim.   Como disse um ex-aluno, “não foi o Covid que o levou, mas sua missão aqui que terminou”.

Enquanto nosso irmão e amigo descansa, vamos seguir outro conselho que ele deu em sua penúltima postagem: “Devo trabalhar como se nunca fosse morrer, e viver como se fosse morrer amanhã. ”

Lágrimas, esperanças e lembranças se misturam enquanto sofremos esta dolorida partida. Mas, prossigamos, trabalhando e vivendo.

Até nosso encontro, meu amigo e irmão Marcos!

Por: Almir Marcolino Tavares

Diretor do Seminário Batista do Cariri

Pastor da Igreja Batista do Novo Juazeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *