Dez maneiras que Covid mudará a igreja

Radar Geral  »  fevereiro 2021

Ministérios de todos os tipos, e especialmente a igreja, precisam avaliar como o mundo pós- pandemia será diferente do que era. Aqui estão dez maneiras pelas quais acredito que o mundo será diferente para a igreja e dividirá os que prosperam dos que simplesmente sobrevivem.

Um: a pandemia acelerou o número de pessoas que não vão mais à igreja regularmente. Muitos indivíduos concluíram na era de Covid que não precisam mais ir à igreja regularmente. Eles estão sem ela há um período de tempo e concluíram que está tudo bem. Isso certamente é verdade para aqueles que frequentavam a igreja por motivos culturais, e não por motivos de fé verdadeira. Assim, o hiato da igreja vai separar aqueles que verdadeiramente seguem Jesus e aqueles cuja fé era superficial para começar. Não espere que sua presença seja a mesma que antes da Covid. Provavelmente não será.

Dois: isso significa que precisaremos mudar nossas medidas de sucesso – o que é muito bom. Nos últimos anos, muita ênfase tem sido colocada no tamanho da igreja. Essa medida nunca foi inerentemente com o fato de uma igreja estar cumprindo o mandato que Jesus deu à igreja.

Felizmente, Covid nos forçará a mudar nossa medida de sucesso, pois menos pessoas optarão por frequentar a Igreja. Teremos que examinar mais de perto o que o sucesso significa para a igreja. Coisas como fazer discípulos, envolvimento da comunidade, evangelismo, generosidade, reconciliação racial, justiça e viver nossa fé de maneiras tangíveis terão nova relevância para os ministérios que crescerão no futuro.

Três: Ministérios saudáveis colocarão muito mais ênfase no envolvimento real de sua congregação no ministério ao invés de serem observadores passivos.

Este não é apenas o mandato da igreja (Efésios 2: 8-10, 4: 10-13), mas é o desejo do coração daqueles que amam Jesus. Nossa fé não foi projetada para ser conhecimento intelectual, mas conhecimento de coração, onde vivemos aquilo em que acreditamos. E é vivendo a partir de nossa fé que desenvolvemos uma fé ainda mais profunda. Ministérios em crescimento serão aqueles que se concentram em capacitar e libertar seu povo em um ministério real e significativo, em vez de promover somente curiosos.

Quatro: As igrejas que prosperarão são aquelas que tratam dos problemas reais de suas comunidades e de seu mundo. Conforme observado acima, Covid acelerou a crescente irrelevância da igreja para muitas pessoas. Isso não significa, é claro, que a própria igreja seja irrelevante, mas muitas congregações locais serão cada vez mais vistas dessa forma. O evangelho deve tocar tudo. Deve transformar indivíduos, comunidades e instituições por meio do poder do Espírito Santo, mas isso significa que a igreja deve abordar questões que desumanizam e roubam a vida com o poder vivificador e transformador de Deus. Deus se preocupa com os pobres e marginalizados – aqueles sem voz. Ele se preocupa com a reconciliação racial e a justiça – leia os profetas! Ele se preocupa em ajudar os necessitados e famintos e tirar as pessoas da pobreza geracional. Se vamos orar: “Seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu”, devemos ser agentes de Jesus para ver que pedaços do céu chegam às nossas comunidades de maneiras tangíveis.

Igrejas engajadas que trazem a vida, ajuda e transformação do Evangelho de maneiras reais para suas comunidades atrairão aqueles que desejam que suas vidas sejam importantes e mostrarão à comunidade como o coração de Jesus realmente se parece. Isso, por sua vez, atrai as pessoas a Jesus.

Cinco: líderes humildes que constroem a igreja de Jesus em vez de seus próprios reinos serão uma marca de igrejas saudáveis. Igrejas dirigidas por celebridades são antitéticas ao Reino de Deus. A humildade foi a marca de Jesus, enquanto o orgulho, o ego e a construção de reinos pessoais em vez do reino de Deus foram uma maldição para a igreja. Já antes da Covid, vimos o colapso de vários grandes ministérios liderados por líderes orgulhosos e suspeito que haverá uma tendência de afastamento dos ministérios baseados em celebridades em direção a uma liderança mais humilde e autêntica.

Ironicamente, Deus é o modelo de humildade, enquanto Satanás é o modelo de orgulho. Líderes orgulhosos, controladores e presunçosos na igreja, que estão construindo seus próprios reinos em vez do Reino de Deus, serão cada vez mais vistos como são.

Seis: A generosidade se tornará a norma nas igrejas em crescimento. A igreja em geral tem sido egoísta quando se trata de dar. Pedimos às pessoas que doassem generosamente à igreja, mas as congregações têm usado esse dinheiro para si mesmas sem ser igualmente generosa com as necessidades dos de fora de sua congregação. Não praticamos o que pregamos. Poucas práticas chamam mais a atenção de nossas comunidades do que congregações que são generosas com as necessidades de suas comunidades. Na verdade, se Deus abençoa aqueles de seu povo que são generosos com os outros, por que isso não se aplica a congregações que são generosas com os outros? A generosidade radical pode trazer bênçãos radicais. Há poder quando as igrejas ajudam outras igrejas. Há poder quando as congregações investem em suas comunidades para atender às necessidades reais em nome de Jesus. Há um tremendo poder de transformar nossas próprias vidas quando vemos Deus atendendo às necessidades reais por meio de nossa generosidade. Há poder quando investimos em ministérios que levam o Evangelho àqueles que nunca ouviram.

Sete: Assumir riscos deve se tornar normal. As igrejas podem ser as organizações mais cautelosas da face da Terra. E veja onde isso nos levou. Por que não arriscaríamos tudo pela causa de Cristo? Viver com cautela não estimula ninguém a aspirações melhores e mais elevadas. Se você acredita em algo, você age sobre isso. Se você adora o Deus e Senhor, você corre riscos por ele. Como a parábola do tesouro escondido e da pérola, o homem que encontrou um tesouro no campo vendeu tudo que tinha para comprar aquele campo.

As congregações que correm o risco por causa de Jesus treinam as pessoas para fazer o mesmo. Eles demonstram o que uma vida de fé realmente parece. Você não pode pregar fé quando sua congregação não a pratica. Fé significa que corremos riscos por um Evangelho que quer tocar tudo ao nosso redor.

Oito: As igrejas devem ser acolhedoras para todos e cada um. Isso significa que aqueles que não se parecem conosco, não agem como nós e até têm um estilo de vida diferente do nosso. Se Jesus veio ministrar aos enfermos, aos quebrantados, aos necessitados e aos marginalizados, nós também devemos. Ele acolheu todos em sua presença para consternação dos fariseus e até mesmo de seus próprios discípulos. As congregações que prosperarão no futuro farão o mesmo. Eles serão lugares que receberão qualquer pessoa e todos como Jesus fez. Eles também serão lugares onde o amor e a aceitação demonstrados podem levar à transformação pessoal e espiritual à medida que o Espírito Santo faz sua obra – em todos nós.

Nove: O poder de Deus ficará cada vez mais evidente nas congregações que abraçam seu chamado de uma nova maneira. Ao longo do ministério de Paulo, lemos que o Evangelho veio com verdade e poder. Esse poder é difícil de encontrar em muitas igrejas hoje porque colocamos o Espírito Santo em uma caixinha e porque nosso ministério não é sobre o que somente Deus pode fazer, mas sobre o que podemos fazer sem Sua ajuda. As igrejas que abraçam o tipo de compromisso do qual falamos também verão o Seu poder mudar seus ministérios. Ele deseja mostrar-se com poder e o fará quando aceitarmos Seu caminho e Sua missão.

Dez: O ritmo da mudança acelerou com a Covid. A mudança na igreja para atender às necessidades de um novo dia será mais rápida, em vez de lenta. Não temos tempo hoje para jogar para o menor denominador comum na igreja quando se trata de mudar para atender às necessidades de um novo dia. Precisamos mostrar amor àqueles que são cautelosos, mas agem com ousadia por amor a Jesus e à missão que Ele nos deu.

Não há tempo hoje para mudanças incrementais. Precisamos fazer as mudanças necessárias para nos tornarmos a igreja que Ele nos chamou para ser. É claro que a mudança exige sabedoria e tempo, mas também exige coragem e ousadia. As igrejas cautelosas definharão enquanto a liderança ousada será cada vez mais a norma em igrejas saudáveis.

Conclusão

Por muito tempo a igreja subordinou sua missão à disposição de alguns em concordar. Fomos reféns por aqueles que gostam do jeito antigo. Nesse ínterim, as pessoas não estão sendo alcançadas. É hora de colocar a missão da igreja em primeiro lugar com amor, mas com firmeza, independentemente de quem se oponha.

Depois de Covid, a igreja não terá a mesma aparência. Muitas congregações definharão e entrarão em um declínio silencioso. Aqueles que ousadamente reexaminarão seu propósito, missão e prioridades à luz da Palavra de Deus e nosso mundo em mudança, florescerão. Em muitos casos, podem ser congregações menores, mas também serão muito mais eficazes e impactantes.

Original por TJ Addington

https://leadingfromthesandbox.blogspot.com

Traduzido por Paulo Feniman

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *