Desafios missionários dentro do Brasil

Redação JA  »   outubro 2021

Em janeiro de 2020, o instituto Datafolha divulgou uma pesquisa realizada nos dias 5 e 6 de dezembro de 2019 (Folha de S. Paulo) com os seguintes dados: “50% dos brasileiros são católicos, 31% são evangélicos, e 10% não possuem religião”. O levantamento foi feito com 2.948 entrevistados em 176 municípios de todo o país, apontando, ainda, que as mulheres representam 58% dos evangélicos e 51% dos católicos. Se levarmos em conta que, no caso dos que se declaram católicos, há uma maioria que apenas teve o batismo na igreja e só comparecem em momentos especiais, há mais praticantes evangélicos do que católicos.

Na referida pesquisa do Datafolha, a indicação é que a região Norte aparece com o maior número de evangélicos em relação às demais regiões do país, com 39%. Em seguida, está o Centro-Oeste com 33%, o Sudeste com 32%, o Sul com 30% e o Nordeste com 27%. Esses percentuais colocam o Brasil como uma nação privilegiada em relação ao alcance do evangelho, mesmo que, de fato, sabemos da fragilidade de algumas denominações em relação à proclamação do Evangelho.

O Portal Povos e Línguas (https://portal.povoselinguas.com.br/), tem informações importantes sobre os vazios a serem alcançados pelo evangelho em nosso país. Algumas informações, inclusive, mostram que temos 24 cidades no Brasil com menos de 2% de evangélicos. Esses municípios estão assim distribuídos: um em Santa Catarina, um em Minas Gerais, dois no Piauí, dois em Alagoas, dois na Paraíba e 15 no Rio Grande do Sul. Com menos de 5% de evangélicos, temos 309 cidades.

Em relação aos estados, o menos alcançado é o Piauí com 9,7% de evangélicos, sendo que 24% dos 224 municípios possuem menos de 5% de evangélicos. O segundo menos alcançado é o Rio Grande do Sul, com 18,3% de evangélicos, mas tem o maior número de municípios com menos de 5% de evangélicos: 55.

Caso uma missão queira verificar com mais detalhes as características destes dois estados para planejar estratégias missionárias, visite o Portal Povo e Línguas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *