Consciência cauterizada

Selma Agnesini  »   fevereiro 2022

Cada um de nós, crentes em Cristo, pensamos e agimos de formas diferentes entre o que é certo e o que é errado, entre o que é bom e o que é ruim. Quando fazemos o que achamos que é certo, ficamos tranquilos, mas quando agimos de maneira rude, maldosa, algo em nós, que chamamos de consciência, nos incomoda. Uma vez que todos são dotados de consciência, ela deveria nos alertar quando infringimos as leis de Deus, falando espiritualmente, ou mesmo as leis naturais que têm a ver com a natureza ou com nosso corpo físico. Mas essa consciência se não for guiada por Deus pode ser distorcida pelo pecado.

Ela nos mostra que mesmo aqueles que não crêem em Deus conhecem as leis naturais de Deus, “Porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem naturalmente as coisas que são da lei, não tendo eles lei, para si mesmos são lei; Os quais mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência, e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os”. Rm. 2.14,15.  Cada um de nós tem uma consciência diferente e precisa agir da forma que Deus valoriza como certo. A consciência não é um órgão físico que podemos ver, mas mesmo assim ela existe e está presente na vida de cada um. “Mas, ouvindo eles esta resposta e acusados pela própria consciência, foram-se retirando um por um, a começar pelos mais velhos…” (Jo 8.9).

A consciência expõe nossa culpa diante de Deus. Milhares de pessoas já passaram e passam por essa experiência. O salmista nos dá a solução: “Confessei-te o meu pecado e a minha iniquidade não mais ocultei. Disse: confessarei ao Senhor as minhas transgressões; e tu perdoaste a iniquidade do meu pecado” (Sl 32.5)

Algum dia todas as pessoas estarão diante do Deus vivo e serão julgadas por Ele. Então todos os nossos atos, todos os pecados que cometemos, todos os pensamentos e propósitos, tudo virá à tona.

Paulo exercitava sua consciência para que ela fosse pura diante de Deus e dos homens: “Por isso, também me esforço por ter sempre consciência pura diante de Deus e dos homens” (At 24.16). 

Mas, infelizmente, a consciência também pode ser cauterizada. Esta é uma característica típica dos tempos de apostasia que vivemos: “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e têm cauterizada a própria consciência” (1 Tm 4.1-2)

O pecado deixa a nossa consciência pesada, trazendo sentimento de culpa e só o Senhor Jesus Cristo tem o poder de limpar nossa consciência. Isso porque ao morrer na cruz Ele levou sobre si o castigo de todos os pecados do mundo, livrando da culpa e condenação aqueles que se arrependem e crêem no sacrifício de Cristo por amor a nós. Quanto mais próximos de Deus estamos, mais nossa consciência se sensibiliza com a vontade de Deus e sente paz. Infelizmente, no mundo em que vivemos, nas lutas que enfrentamos e pelos pecados que cometemos podemos ter nossa consciência cauterizada e insensível, seguindo seus próprios princípios e não os princípios de Deus.

Deus nos dotou de consciência para ela cumprir o papel de canal através do qual Ele fala conosco. Por isso é importante sabermos se nossa consciência está sujeita e é submissa unicamente a Jesus.

Pense nisso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.