Qual lado devemos escolher?

Rômulo Ribeiro  »  outubro 2020

Ponto de Vista Bíblico »

A Bíblia sempre enfatizou o nosso posicionamento para com este mundo e o pecado. Aos olhos de Deus, não existe neutralidade. Jesus disse: “Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha” (Mt 12.30).
É bem verdade que o planeta terra se encontra polarizado, principalmente na área política. O comunismo não morreu com a dissolução da ex-União Soviética e muito menos com a queda do muro de Berlin. Ao contrário, o marxismo se fortaleceu nas asas do globalismo social e na formação de blocos regionais que submeteu os países, uma vez soberanos, ao controle das leis internacionais.
Tudo que os fundadores da Torre de Babel desejaram alcançar em Gênesis 11.1-6, através do antropocentrismo, o mundo está conseguindo entregar em pleno Século XXI. A pretexto da igualdade social, as nações estão buscando por uma única forma de governo e de filosofia de vida que não seja judaico-cristã.

O espírito do anticristo, que coabita conosco desde os primórdios da fundação da Igreja (I Jo 2.18), procura varrer a Pessoa de Deus da mente e da vida dos seres humanos. O projeto da Torre de Babel nasceu com este intento e desde então os homens buscam se separar o máximo possível da teologia do Éden. O primeiro plano foi frustrado com a separação das línguas, mas logo os homens descobriram uma forma de diluir a fé e a presença de Elohim entre eles através da idolatria.
Daí surgiu o panteísmo, o politeísmo e finalmente o antropocentrismo. Considerado um movimento democrático pelos direitos raciais, Black Lives Matter (Vidas Negras Importam), queimou uma pilha de Bíblias em frente do tribunal federal da cidade de Portland, no estado de Oregon, EUA.
Ao mesmo tempo em que os membros do Corpo de Cristo defendem a igualdade racial (pois todos os homens foram criados iguais aos olhos de Deus), tornar-se-ia antiblíco apoiar um movimento político hostil a Deus, o Pai, e, principalmente, ao Senhor Jesus Cristo, o Filho. Enquanto isso, no Brasil, o movimento LGBT já representou um porco e um transexual crucificados como se fossem o Filho de Deus.

A Guerra Fria está de volta e mais uma vez as nações da terra terão que escolher de que lado estão. Não é à toa que Jesus menciona as nações, ao invés de indivíduos, quando ensina sobre o julgamento que será realizado logo antes do início de Seu reino milenar sobre a terra. Será um julgamento simultaneamente político e espiritual. Todos os países serão julgados pela forma como trataram Israel, seus dois profetas, suas 144 mil testemunhas e todos os Seus escolhidos (Mt 25.32). Os ensaios já começaram!
Através da política, Satanás está tentando cancelar a cultura religiosa e, sobretudo, cristã que ainda existe no mundo e, por meio do anticristo, o cristianismo será praticamente extinguido da terra. A pandemia do novo coronavírus veio revelar o ódio que o mundo nutre contra os cristãos não só em países comunistas e muçulmanos, mas no próprio berço da Reforma Protestante e na colônia mais evangélica do mundo, Estados Unidos da América, onde igrejas e Bíblias estão sendo queimadas por passeatas designadas como antitrumpistas.

Desde os apóstolos até os dias de hoje, a Igreja precisa se posicionar diante dos governos da terra. Como instituição, ela não se envolve em política, mas os seus membros e, principalmente, os seus líderes, precisam lutar pelo direito de servir, adorar e cultuar a Deus.
A ameaça de morte sempre foi o instrumento mais usado pelos poderosos para deter o avanço da igreja e não poderia ser diferente durante uma pandemia onde o perigo de contágio pelo novo coronavírus está sendo usado para fechar as igrejas, separar as famílias, tolher os direitos individuais e quebrar a economia liberal de mercado.
Tudo que o Manifesto Comunista propôs para causar mudanças sociais permanentes em uma sociedade está acontecendo diante dos nossos olhos. A má notícia é que eles irão finalmente transformar o mundo em um verdadeiro Big Brother através do grande líder mundial, o anticristo.
A boa notícia é que a Igreja não estará mais aqui para impedi-los ou, pelo menos, estorvá-los. Maranata!

Uma resposta para “Qual lado devemos escolher?”

  1. teresa cristina P. S. souza disse:

    Aprecio muito seus artigos. Boa reflexão sobre os tempos atuais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *